• POLUIÇÃO E OS PERIGOS PARA A SAÚDE

    Post Blog

    Os sintomas são quase sempre os mesmos: falta de ar, queimação na garganta, boca seca, coceira no nariz. Quem mora principalmente nas grandes cidades, sabe como é difícil conviver com isso todos os dias!
    E você, sabia que 45 cidades brasileiras analisadas em pesquisas recentes sobre poluição do ar, 40 estão fora dos padrões ideais?
    A pesquisa mostra ainda que 92% da população do planeta está exposta a níveis preocupantes de poluição – níveis tão altos que podem levar até mesmo à morte. É por causa da poluição do ar que 8 milhões de pessoas morrem todos os anos. A poluição do ar é o quarto principal fator de risco para doenças, ficando atrás apenas de pressão alta, má alimentação e tabagismo.
    Confira quais os principais problemas relacionados a qualidade do ar:
    AVC: Estudos acusam que a poluição eleva significativamente o risco de uma artéria no cérebro entupir e deixar de prover grupos de neurônios, causando o então acidente vascular cerebral.
    Problemas respiratórios: Dentre todos, o problema mais comum é esse. Para se ter uma base, de 177 mil casos atendidos na emergência dos hospitais da cidade de São Paulo em três anos, 77% foram por obstruções nas vias aéreas causadas ou agravadas pela poluição do ar.
    Diabetes: Com base na análise de 3 mil pacientes, cientistas alemães concluíram que a poluição atmosférica gera inflamação e favorece a resistência à insulina, situação que precede o diabete tipo 2.
    Doenças do coração: Pouca gente sabe, mas a exposição a poluentes aumenta o risco de internação ou morte por insuficiência cardíaca.
    Câncer: A Agência Internacional para Pesquisa em Câncer alerta que o contato com ar poluído já é uma das principais causas de tumores de pulmão no planeta – pior até do que o cigarro.
    Infertilidade: Uma pesquisa da USP descobriu que viver em ambiente poluído afeta a qualidade dos espermatozoides. No Brasil os dados são preocupantes devido ao teor de metais pesados na gasolina.

    Dados alarmantes não é verdade!? Portanto, vale ficar atento e realmente adotar medidas que possam melhorar a qualidade do nosso ar.

    Fonte: Site Revista Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.